Gestão de combustível: como escolher o melhor sistema para a sua frota

O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por movimentar mais de 60% do total de carga do país (veja mais dados acessando aqui a pesquisa da Ilos ), sendo também o principal meio de transporte no território brasileiro. Além disso, esse modal é responsável por boa parte do consumo do diesel direcionado para transportes no país. Por isso influencia diretamente no valor do frete. Daí a necessidade de implantar uma criteriosa gestão de combustível, para maximizar a utilização deste insumo com custos menores.

O peso do óleo diesel nos custos de transporte rodoviário representa entre 35 a 60% do valor do frete. Variando de acordo com os veículos, rotas e tipo de transporte.

Só nos últimos 5 anos, o preço do litro do óleo diesel comum, ainda muito consumido pela frota brasileira, acumulou um aumento de 31% segundo dados divulgados pela ANP – Agência Nacional do Petróleo. 

Diante deste contexto, algumas associações representativas do transporte rodoviário estão cobrando um posicionamento dos órgãos responsáveis. Isso para garantir que esse insumo, tão importante para o TRC, entre em estabilidade de preço no mercado. Estas instituições também recomendam que as empresas observem a movimentação de preços. Para, assim, tentar minimizar os impactos que podem ser gerados nos custos de suas operações.

Cabe ao gestor de frota criar estratégias para realizar a gestão de combustível com o objetivo de maximizar os resultados da empresa.

Como obter o melhor resultado com a gestão de combustível?

Para alcançar o melhor resultado, o gestor de frota precisa conhecer muito bem o contexto onde está inserido. Ao identificar as variáveis que causam maior consumo de diesel é possível criar alternativas para reduzir a influência destas variáveis nos custos operacionais.

Vale lembrar que transporte é o fenômeno que consiste em se movimentar cargas (produtos ou pessoas) de um ponto inicial para um destino. No modal rodoviário encontramos alguns ícones que influenciam no desempenho do combustível neste segmento. São eles:

  • Carga a ser transportada:  Produto que será movimentado da origem ao destino final e precisa ser bem acondicionada para evitar avarias. 
  • Estradas: Local por onde se movimentam as cargas transportadas e o seu estado de conservação contribui no aumento dos custos. 
  • Motorista: Profissional responsável por conduzir o equipamento contendo a carga que será transportada em uma estrada do ponto inicial até o seu destino final. 
  • Caminhão: Veículo conduzido pelo motorista em uma estrada para movimentar a carga da origem até o destino final.

Cada um dos ícones acima relacionados terá sua influência apresentada a seguir.

Influência dos ícones do transporte na gestão de combustível 

1. Carga a ser transportada

A influência gerada por este ícone está diretamente relacionada ao peso total da carga que será acondicionada no equipamento. Quando uma empresa, na busca de aumentar a sua receita, ultrapassa o limite de peso recomendado pelo fabricante do veículo e por órgãos fiscalizadores, ocorrerá o aumento do consumo. A causa do aumento do consumo de diesel está relacionada ao fato de, para movimentar veículo + carga em excesso, o veículo precisará de uma força maior e para tal, maior aceleração e daí o aumento no consumo de diesel.

Transportar peso além do limite pode parecer vantagem, mas quem faz as contas logo vê que não é. Um outro impacto do transporte com excesso de peso está descrito abaixo. 

2. Estradas:

O excesso de peso de um caminhão desgasta o pavimento, cujo conserto é pago com os impostos de todos. Põe em risco a vida de quem está na estrada e acelera a depreciação do veículo.

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), um caminhão com 50% de excesso de carga causa 10 vezes mais danos ao pavimento do que se estivesse com o peso normal.

O dimensionamento do piso é feito para suportar uma determinada carga a uma temperatura máxima. Numa estrada que apresenta danos no pavimento, a dirigibilidade do veículo será alterada em função da velocidade média. Aumentando o consumo de diesel e o tempo de viagem.

A variável topografia também contribui para o aumento do consumo de diesel. Isso acontece por ser uma das forças resistivas ao movimento, a resistência ao aclive. Sendo esta, a componente da força peso que atua no plano paralelo ao deslocamento do veículo.

3. Motorista:

Os gastos de frota estão diretamente relacionados à forma como os condutores dirigem seus veículos. Por esse e outros motivos, é importante que a empresa invista em treinar, formar e acompanhar os motoristas. Buscando assim, uma redução de custos e o aumento da disponibilidade dos veículos. 

Esse investimento leva à prática da condução econômica, que é um processo que visa repassar ou reciclar conhecimentos, atitudes e habilidades. Com a finalidade de habilitar os motoristas a serem mais produtivos, ela contribui para alcance dos objetivos organizacionais.

Pode-se dizer que condução econômica é um conjunto de práticas e conhecimentos. Visa o melhor aproveitamento dos equipamentos e da mão-de-obra. Dessa forma, significa operar o veículo de modo a acionar os mecanismos de controle (acelerador, freios, direção, caixa de transmissão) em sintonia com as situações que acontecem ao longo da viagem (subidas, descidas, retas, curvas).

Algumas ações dos motoristas que contribuem para a melhoria no consumo de diesel:

  • Utilização correta dos freios;
  • Superar as resistências ao rolamento;
  • Aproveitar a inércia dos veículos;
  • Conduzir o veículo em velocidade econômica;
  • Conduzir o veículo na rotação adequada.

Cabe ao gestor de frota promover ações, palestras, eventos e cursos para a qualificação do seu quadro de motoristas. Assim, será possível aumentar a conscientização quanto à importância de seu desenvolvimento profissional para a redução do consumo de diesel. 

4. Caminhão:

A escolha do veículo mais adequado para o seu transporte pode colaborar na economia de diesel na frota. E após a compra criteriosa, os cuidados com a manutenção começam.

Como você deve saber, os veículos de uma frota quando não se apresentam em boas condições, consomem muito mais combustível, aumentando os seus custos operacionais. Por essa razão, desenvolver um cronograma de manutenção para a sua frota, de acordo com as especificações de cada fabricante, é indispensável. Isso irá garantir veículos com sistemas mecânicos e elétricos sempre em ordem e com bom funcionamento.

Vale reforçar que a manutenção do veículo está diretamente ligada ao processo de consumo de combustível. Assim sendo, a empresa necessita manter a manutenção de forma atualizada e correta. Essa prevenção irá reduzir os custos com o combustível.

Motores regulados, com filtros limpos, tanto de ar como de combustível, limpeza de bombas e bicos, entre outros tantos aspectos, fazem a diferença no resultado final do consumo de combustível.

Confira abaixo algumas dicas importantes, sobre gestão de combustível, que devem fazer parte da rotina dos veículos movidos a diesel:

  • Excesso de velocidade: Aumenta o consumo de combustível, aumenta o risco de acidentes. Além de aumentar o uso do freio e, consequentemente, diminuir sua eficiência e durabilidade. Por fim, ainda aumenta o desgaste de pneus e transmissão. Para o meio ambiente, causa mais poluição e mais desperdício. Bem, ainda por cima, há uma legislação de trânsito que precisa ser respeitada.
  • Conta-giros – use a faixa verde: Na faixa verde do conta-giros é onde está o maior torque e o menor consumo do motor. Rodando nela, o veículo é mais econômico, tem maior vida útil e polui menos. Mantenha freios e elétrica em ordem. Não fique muito tempo em marcha lenta.
  • Pneus – mantenha corretamente calibrados: Pneus com a pressão de inflação abaixo do recomendado aumenta a resistência ao rolamento, logo consome mais combustível.
  • Não rompa o lacre da bomba: ao fazer isso ganha-se pouca potência, à custa de um grande aumento de consumo de diesel e de fumaça preta.  O veículo fica mais exposto a desgaste e as quebras do motor. Além de que o custo geral e a poluição crescem.
  • Filtro de ar – mantenha limpo: Não passe ar no filtro para limpar. Isso danifica o cartucho e permite a entrada de poeira, o que irá danificar o motor. Troque sempre o cartucho por um novo quando estiver saturado. Observe o indicador de restrição do filtro e troque sempre que indicada essa necessidade.
  • Manutenção preventiva – siga o plano do manual: Garanta a operação sempre otimizada do veículo, evitando desperdício de diesel e paradas inesperadas. O uso de peças originais e oficinas capacitadas garantem o melhor resultado. O veículo é um conjunto de sistemas que deve estar sempre em boas condições.
  • Aerodinâmica: É um parâmetro crucial que é muito considerado no desenvolvimento dos veículos. Recomenda-se o uso de defletores de ar nos caminhões, que proporcionará uma dirigibilidade mais ágil e rápida.

Após o mapeamento dos parâmetros que contribuem para o aumento do consumo de diesel, o gestor de frota deve implementar rapidamente um plano de ação para a gestão de combustível.

Como implantar a gestão de combustível em uma frota de veículos?

Ao tomar o conhecimento das variáveis que influenciam no consumo de diesel em um conjunto de veículos, o gestor de frota precisará criar um plano de ação criterioso para minimizar a ação destas variáveis e assim estipular metas atingíveis.

O gestor de frota precisa minimizar a ação destas variáveis para reduzir o consumo.

  • Item carga a ser transportada: A empresa de transporte precisa definir em conjunto com os departamentos de frota e operações sobre a vantagem de sobrecarregar os veículos. Isso porque, além do consumo de diesel, ocorrerá desgastes nos veículos gerando perdas de receita. O acompanhamento do consumo na situação crítica e em condições normais, permitirá ao gestor quantificar os valores das perdas. 
  • Item estradas: As estradas e rodovias do país são não somente uma forma de ligar as cidades e estados, mas também o local de movimentação de milhares de veículos. Não programar as entregas, deixar de planejar as rotas e de estipular metas pode impactar significativamente no desempenho e tornar uma viagem simples bastante desagradável.

Estipular previamente as rotas: O primeiro ponto importante para o planejamento de qualquer viagem é a definição das rotas. Decidir quais estradas pegar e o caminho a ser seguido pode reduzir bastante o tempo da viagem. Escolhendo as menores distâncias, reduzindo os gastos com combustível. 

Planejar todas as paradas: Com a definição das rotas, é possível estipular facilmente cada uma das paradas para descanso em locais seguros.

  • Item motorista: Empresas que dependem de uma frota de veículos para operar devem se preocupar permanentemente com a maneira como os motoristas utilizam os veículos. Uma boa utilização da frota significa também maior durabilidade dos veículos, menores custos com manutenções e mais segurança nos deslocamentos. Com o auxílio da telemetria, atualmente as empresas conseguem monitorar o desempenho dos seus motoristas, avaliando detalhadamente itens como comportamento em curvas, velocidade média, forma de acelerar e frear, entre outros aspectos da condução do veículo, implementando uma gestão de frotas mais eficiente. 
  • Item Caminhão: Quando o gestor de frota monta a sua estrutura para avaliar as operações de transporte (acompanhar os ícones), ele busca para a empresa uma maior rentabilidade. Portanto, ele é o responsável por maximizar o uso da frota com os menores custos. As principais atividades estão relacionadas com a manutenção dos veículos e o modo como são conduzidos. Com o uso de tecnologias como o rastreamento de veículos e roteirização de cargas, o gestor terá informações on line para tomar decisões com maior agilidade.

Ao utilizar indicadores de desempenho em suas análises, o gestor de frota demonstrará a evolução ou não dos resultados, que poderão ser apresentados em grupos como

  • Custos por unidade transportada
  • Custos dos insumos por quilômetro
  • Custos por tipo de manutenção
  • Tempo do ciclo de transporte do produto
  • Indicadores de desempenho de condutores e veículos

Ao conhecer as variáveis e como minimizar as suas ações no consumo de diesel, o próximo passo é adotar a ferramenta adequada para a gestão de combustível.

Escolhendo o melhor processo de gestão de combustível!

Quem atua no segmento de logística sabe que é imprescindível aperfeiçoar os processos e automatizar as demandas do dia a dia para reduzir custos e se manter competitivo no mercado. A implantação de um sistema de gestão de frotas pode melhorar a performance e eficiência da sua empresa.

Ao adquirir um sistema de gestão que permita a integração aos processos da empresa, o gestor de frota dará um grande salto na produtividade.

Software de gestão de combustível: quais as vantagens?

Um software de gestão serve para unificar informações financeiras, de estoque e diversas outras funções importantes para qualquer empreendimento, agindo para integrar os setores de um negócio.

Para a gestão de combustíveis, um sistema informatizado pode proporcionar diversas vantagens diretas e indiretas, como:

Economia de tempo: Trabalhar com um software de gestão de combustível evita que o gestor de frota precise dar atenção a papéis, documentos de texto e planilhas. Esse trabalho manual pode ser bastante demorado, já que o preparo e a formatação de tudo isso exige muita organização.

O software já se encontra preparado para receber os dados, evitando problemas com erros de duplicidade e com a padronização em outras formas de lançamentos de informações. 

Informações mais precisas e seguras: A inserção de dados em um sistema informatizado de gestão é mais precisa e muito mais assertiva. Um sistema informatizado de gestão, além de manter todos os dados em um só lugar, faz o backup constante de todo o conteúdo, evitando perdas por danos físicos em mídias, cadernos ou aparelhos. 

Falhas detectadas mais facilmente:: Falhas podem ocorrer na rotina administrativa de um posto de combustíveis. A vantagem de poder contar com um sistema de gestão é que esse tipo de problema pode ser identificado rapidamente, dando ao gestor de frota mais tempo para resolvê-lo antes que o negócio seja prejudicado.

Menos trabalho duplicado: Ainda falando em erros, eles também podem ocorrer na transmissão de dados para outros setores como contabilidade, financeiro, RH, entre outros. Com um software de gestão, as informações ficam todas alocadas em um só ambiente. Todos os departamentos recebem informações alinhadas e confiáveis. 

Benefícios ao controle financeiro: Como os dados lançados no sistema são mais confiáveis e rastreáveis, as decisões sobre ampliação do negócio, investimentos, alterações de fornecedor, margem de lucro, entre outras, se tornam muito mais fáceis de serem tomadas, bastando acessar de forma rápida os relatórios gerados continuamente.

Gestão de combustível através de cartões

A gestão de abastecimento via cartão é um sistema que realiza o controle sobre o consumo de combustíveis via web. Ele disponibiliza, em tempo real, relatórios detalhados sobre abastecimentos. Com ele, o gestor determina os parâmetros e restrições para a operação de sua frota. Elimina a ocorrência de transações fora do padrão desejado e gera economia nos gastos com combustíveis.

O sistema permite gerar relatórios completos da performance de cada veículo e condutor. A atuação é feita 100% online, assegurando a autonomia na gestão. Para isto, cada condutor e/ou veículo é portador de um cartão magnético que é utilizado nas operações através da rede de postos credenciados. 

Vantagens do Produto

Economia: Redução de custos proporcionadas pelo processo de controle e gestão das operações de abastecimentos; possibilidade de acompanhamento de perto da performance dos motoristas a fim de otimizar o rendimento de sua direção; ampla rede credenciada possibilita comparativo dos preços dos combustíveis.

Gestão: Informações instantâneas para o acompanhamento das operações em tempo real; tomada de decisões mais assertivas subsidiadas por relatórios gerenciais e indicadores de desempenho; sistema adaptável às necessidades da operação de cada cliente; autonomia dada ao gestor para parametrizar o sistema de acordo com o padrão de operação desejado;

Praticidade: Gestão das operações via sistema online simples e intuitivo; simplificação e automatização dos processos; possibilidade de acesso ao sistema através de dispositivos móveis, tendo a gestão em sua palma da mão; dispensa convênios diretos com postos, centralizando relacionamento em um único fornecedor.

Segurança: Parametrizações do sistema permitem bloqueio de transações fora das regras previamente definidas, minimizando a utilização incorreta e evitando eventuais desvios de conduta; transações efetuadas mediante digitação de códigos exclusivos da empresa e senha pessoal do usuário.

Uso de App na gestão de combustível: direcionado aos usuários dos cartões para facilitar a gestão e consulta de informações como: saldo, extrato, postos mais próximos e combustíveis mais baratos. Estes recursos permitem chegar ao posto mais barato com a função integrada ao Waze e Google Maps; indicação de combustível mais eficiente para o veículo a partir da função Análise; comparativo do preço do litro na bomba estabelecendo a rede de postos.

Gestão de combustível através de sensores de nível

Este módulo de gestão de combustível utiliza sensores de nível de combustível nos depósitos do caminhão. É possível medir os níveis de combustível de ambos os depósitos (tanques) de um caminhão de forma independente. Qualquer oscilação do nível de combustível é analisada para detectar operações de reabastecimento e drenagem (roubo ou outras causas de perda de combustível). Alarmes avisam o gestor e/ou condutor de imediato, em qualquer momento em que ocorra uma drenagem.

Gestão de combustível através de dispositivos eletrônicos

Este controle é realizado de forma eletrônica durante os gastos com abastecimento. Ocorre no momento em que o veículo estaciona no posto para abastecer.

As informações são registradas e enviadas automaticamente para central de processamento, onde cada veículo é equipado com um dispositivo chamado UVE – Unidade Identificadora do veículo, ligada ao odômetro, que é a “boca” do tanque de combustível.

No momento do abastecimento nos postos credenciados CTF, as antenas instaladas na “boca” do tanque de combustível do veículo e no bico da bomba de abastecimento são conectadas e os dados armazenados na UVE são transferidos para a RFC (equipamento do CTF instalada no posto) interligada ao bico das bombas, responsável em liberar a bomba e enviar as informações de abastecimento.

Isso possibilita o acesso eletrônico aos dados de identificação do veículo, quilometragem, quantidade, tipo, valor do combustível colocado, local do abastecimento, data, hora e média de consumo.

Este serviço monitora se o veículo da empresa está realmente presente no posto no momento do abastecimento, podendo garantir que o valor expresso nas notas fiscais ou nos canhotos de abastecimentos dos veículos de uma determinada rota, corresponde precisamente a quantia realmente abastecida, ou se o combustível pago foi utilizado somente pelos caminhões, carretas ou carros autorizados pela empresa.

Gestão de combustível de postos internos – Postos na transportadora

Muitas empresas de transporte possuem em sua estrutura postos de combustíveis para abastecimento de seus veículos. Este sistema de controle foi desenvolvido para automatizar bombas localizadas em pátios e garagens (abastecimento interno).

O acesso ao sistema é totalmente WEB. Não exige instalação de programas, podendo ser acessado de qualquer computador ou smartphone. Pode ser feito o acompanhamento em tempo real da data e hora do abastecimento, veículo, volume abastecido. Além de abastecedor, distância percorrida/ horas trabalhadas, média de consumo e estoque virtual do tanque.

Este tipo de gestão elimina os erros de anotações e se integra ao sistema Enterprise Resource Planning (ERP) do cliente. É um sistema customizável, com segurança dos dados e prevenção de desvio de diesel. Além disso, permite o relatório de economia de diesel, a integração com o abastecimento externo, o alerta de estoque baixo por e-mail, a exportação e os relatórios em Excel e TXT, e possui tecnologia de Radio Frequency Identification (RFDI).

Conclusão

Em uma empresa de transporte, o combustível representa cerca de 30% a 50% dos custos totais. E é muito importante realizar o controle para reduzir estes custos.

A presença de buracos e ondulações nas pistas submete os motoristas a reduzir a marcha com frequência durante uma viagem, o que aumenta de modo significativo o consumo de combustível, como também o estado dos veículos. 

Face ao panorama acima apresentado, cabe ao gestor de frota:

  1. Saber da sua importância na geração dos melhores resultados,
  2. Conhecer a operação de transporte da empresa para realizar o planejamento de redução de custos,
  3. Identificar as variáveis que possam influenciar no consumo de combustível e montar um plano de ação para minimizar os seus efeitos,
  4. Estipular o peso máximo a ser transportado nos veículos,
  5. Planejar as rotas para o transporte de cargas,
  6. Estar atento aos prazos de manutenção dos caminhões,
  7. Avaliar o desempenho dos motoristas e solicitar treinamentos para capacitação,
  8. Adotar a tecnologia veicular para a gestão da frota,
  9. Escolher o sistema de gestão de combustível que melhor se adapte à empresa,
  10. Ser proativo e analisar as informações para a tomada de decisões com maior rapidez

Veja em nosso blog vários artigos que ajudarão o gestor de frota em suas atividades:

Consumo médio de caminhões
Faixas médias de consumo por categoria de caminhão

Categoria Consumo médio

Leves______________5,5 a 7,5 km/l

Médios____________ 4,5 a 7,5 km/l

Semipesados_________3,5 a 4,5 km/l

Cavalo Mecânico______1,8 a 2,5 km/l

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *