CT-e: Entenda o que é e quais são as vantagens para sua empresa

Você quer entender melhor do que se trata o CT-e e como emitir esse documento?

O CT-e, Conhecimento de Transporte Eletrônico, é um documento que pode trazer benefícios para a sua empresa.

Trata-se de um documento exclusivamente eletrônico que substitui vários tipos de documentos fiscais em papel. Ter tudo registrado eletronicamente facilita  a gestão da sua empresa de transporte.

Outra burocracia para tirar do caminho e prevenir maiores problemas é o seguro de transporte. Leia mais sobre isso nesse outro artigo do blog.

O CT-e é diferente da Nota Fiscal Eletrônica, portanto, vale a pena informar-se melhor sobre seu funcionamento. Nesse texto, você aprenderá tudo que precisa saber sobre o CT-e, seus benefícios e o que  fazer para emitir esse documento.

Basta continuar lendo e  conferir.

Para que serve o CT-e?

o que é ct-e
Entenda o que é o CT-e e quais documentos substitui

O Conhecimento de Transporte Eletrônico, ou CT-e, é um documento virtual que acompanha a prestação de serviços de transporte.   É utilizado para comprovações fiscais de qualquer operação de transporte ou frete, independente da área.

Para assegurar a validade jurídica do CT-e,  são necessárias a assinatura digital do emitente e a recepção e autorização de uso pela Fisco. Essas assinaturas são garantidas através de um certificado digital.

Possuindo essas duas certificações, o CT-e  é reconhecido e válido em todo o país. A emissão desse documento é gratuita.

Quais documentos o CT-e substitui?

O Conhecimento de Transporte Eletrônico, segundo a Secretaria da Fazenda, substitui atualmente seis documentos fiscais. Os documentos que não estiverem nessa lista devem continuar a ser emitidos separadamente, de acordo com a legislação.

Confira todos os documentos que o CT-e substitui:

  • Nota Fiscal de Serviço de Transporte, modelo 7, quando utilizada em transporte de cargas.
  • Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, modelo 8;
  • Conhecimento de Transporte Aquaviário de Cargas, modelo 9;
  • Conhecimento Aéreo, modelo 10;
  • Conhecimento de Transporte Ferroviário de Cargas, modelo 11;
  • Nota Fiscal de Serviço de Transporte Ferroviário de Cargas, modelo 27;

Quais as vantagens de emitir o CT-e?

Descubra como o CT-e pode facilitar seu dia a dia e quais benefícios traz para sua empresa.

Modernizar a sua documentação oferece muitos benefícios para a sua empresa. A vantagem mais relevante  é a redução de custos.  Documentos fiscais impressos demandam  custos relativos a compra de papel, impressão e armazenamento.

Confira outras formas para  reduzir os custos na operação de frotas, nesse post em nosso blog.

Armazenar documentos em papel requer um espaço físico para armazenamento  das folhas. É necessário organizar e manter um controle   adequado para consulta e recuperação desses arquivos.

Com o CT-e, a Autorização de Impressão de Documentos Fiscais (AIDF) não é mais obrigatória. Além disso, a previsão é que futuramente outras obrigações acessórias poderão ser simplificadas ou completamente eliminadas após a adoção de CT-e.  

Além disso, é possível reduzir os tempos de parada dos caminhões em Postos Fiscais de Fronteira. Como a documentação é eletrônica, os processos de fiscalização são mais simples e rápidos.

A certificação digital oferece também mais segurança e praticidade. As relações com os seus clientes serão facilitadas com a possibilidade de transmitir documentos pela internet.

E os benefícios se estendem além da sua empresa. O seu cliente também terá as vantagens que acompanham o documento eletrônico. A modernização facilita também a fiscalização e elimina a ocorrência de erros de digitação e preenchimento.

Você pode visitar a página do CT-e no site da Fazenda para tirar as suas dúvidas e conferir todos os benefícios da documentação eletrônica.

Como proceder para emitir o CT-e?

O Ajuste SINIEF 08/12 tornou obrigatória a emissão do CT-e desde o dia 22 de dezembro de 2011. O documento eletrônico substitui todas as variações em papel anteriores.

Pelo site da Fazenda, você pode fazer o download do software usado para a emissão da CT-e. Confira a seguir o passo a passo para fazer a emissão:

  1. Solicite o credenciamento da sua empresa na SEFAZ. É necessário cadastrar o CNPJ da transportadora antes que a Secretaria da Fazenda permita a emissão do CT-e.
  2. Escolha  o seu sistema emissor de CT-e. Existem muitos tipos de software no mercado. Você pode encontrar inclusive opções integradas com o sistema de gerenciamento de frota. Além da versão disponível no próprio site da Fazenda, você encontra também sites gratuitos para a emissão.
  3. Adquirir o Certificado Digital. Esse certificado funciona como uma assinatura da sua empresa. É assim que a SEFAZ pode garantir que o documento foi emitido pelo CNPJ cadastrado e autorizado. Dessa forma, ninguém pode emitir documentos em  seu nome, evitando fraudes. O certificado precisa ser emitido por uma Autoridade Certificadora credenciada ao ICP-BR.
  4. Realize  a configuração da empresa. Talvez para esse passo você precise da ajuda do seu contador. Antes de emitir o CT-e, é preciso configurar a empresa, ou seja, informar o tipo de regime (lucro real, presumido ou simples nacional) e alíquota de ICMS por estado de origem x estado de destino.

Que dados precisam constar no CT-e?

Para preencher e emitir o CT-e, você precisará preencher os seguintes dados:

  • Dados do remetente; inserir as informações da sua empresa. Aqui também ficam englobados os dados da empresa que te forneceu os produtos para transporte, no campo “dados do expedidor”. O remetente sempre será o emissor da NF-e.
  • Dados do destinatário; aqui serão informados os dados do destinatário da nota. O destinatário sempre será o destino final informado na NF-e. Caso sua empresa vá entregar a carga para outra transportadora, esses dados deverão constar em “dados do recebedor”.
  • Dados da nota fiscal; esse campo deverá conter o peso, volume ou cubagem da carga, além do número e série da NF-e. Também devem ser informados o valor total dos produtos, produto predominante no frete, o modelo da nota e data de emissão.
  • Dados do veículo e motorista; informar esses dados é obrigatório apenas em cargas do tipo Lotação. Os dados do veículo que devem ser informados são a placa, RNTRC e UF do proprietário e renavam.
  • Valor total do serviço; com base nessa informação, você poderá cobrar o cliente e cadastrar as movimentações financeiras no seu sistema. Por isso, mesmo sendo possível gerar a CT-e sem declarar o valor final, é essencial preencher esse campo.

Conclusão

Agora que você já tem todas a informações que precisa sobre a CT-e, basta seguir os passos e regularizar a documentação da sua transportadora.

Se você quer mais dicas sobre como gerenciar o seu negócio de transporte, veja esses outros conteúdos do blog:

Se ficou com alguma dúvida, basta deixar seu comentário no final da página perguntando! Aproveite também para deixar sua opinião sobre a documentação eletrônica.

dicas redução de combustível

Especialista Técnico formado pela Universidade Metodista de Piracicaba em Engenharia Industrial Mecânica, Pós Graduado em Marketing. Com mais de 22 anos de experiência no setor de Petróleo, sendo 9 anos na área de vendas de lubrificantes industriais e automotivos, e os demais na área de suporte técnico e desenvolvimento de lubrificantes para mercado brasileiro.

2 comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *