O que você precisa saber sobre óleo lubrificante agora!

Um dos procedimentos mais importantes para potencializar o desempenho de um automóvel é a troca de óleo regular dos veículos.

Tudo isso porque a lubrificação reduz o atrito das peças dentro do motor dos automóveis assegurando a sua durabilidade. 

Lembrando que o uso de um óleo lubrificante de qualidade e a troca de óleo realizada nos períodos indicados pelo fabricante são alguns dos principais aspectos a serem considerados no planejamento da manutenção preventiva do veículo.

Neste artigo, você irá conferir um resumo de tudo o que realmente precisa saber sobre óleo lubrificante.

Boa leitura!

#1- Como rerrefinar óleo lubrificante 

O óleo básico do lubrificante usado pode e deve ser reaproveitado. Apenas 24% do óleo lubrificante utilizado no Brasil é rerrefinado.

O seu reaproveitamento permite que o produto se transforme em óleos básicos podendo ser novamente reutilizado como matéria prima, porém os lubrificantes para motores da família Havoline de alto desempenho não utilizam esses básicos rerrefinados. 

Para o descarte de óleo lubrificante basta armazenar corretamente o óleo usado e a sua coleta e destino deverão ser através de empresas especializadas e credenciadas pelos órgão competentes para o rerrefino transformando o óleo usado em óleos básicos rerrefinados que poderá ser reutilizado para diversos fins, auxiliando na economia dos recursos naturais e preservando o meio ambiente.

A elaboração da lei do CONAMA Nº362/05 determina que os produtores do resíduo sejam os responsáveis sobre o recolhimento, coleta e envio correto do óleo lubrificante para o refino.

Saiba mais sobre as formas de descarte e postos de rerrefino clicando aqui

#2- O que é a viscosidade do óleo lubrificante?

A viscosidade é  a principal característica a ser considerada durante a escolha do melhor óleo lubrificante para um automóvel.

A viscosidade do óleo precisa estar adequada às temperaturas ambientais corretas. Portanto, se o óleo estiver muito grosso quando o motor estiver frio, não haverá movimentação do óleo pelo motor. 

E se ele estiver muito fino quando o motor esquentar, não possibilitará a proteção correta para as partes funcionais do motor. 

Sendo assim, os óleos com maior viscosidade precisam de mais força para serem distribuídos e chegam de forma mais lenta até o motor

Já os óleos lubrificantes com baixa viscosidade, tornam a partida a frio mais fácil para o motor, apresentando menor resistência aos elementos móveis consumindo menos energia. 

Isto também significa uma maior economia de combustível, além de diminuir a necessidade de pequenas manutenções.

 

#3 – O que é API do óleo lubrificante?

A sigla API categoriza o nível de desenvolvimento do óleo lubrificante, baseando-se nos graus de severidade das condições de operação existentes e medindo o nível de desempenho e aditivação do óleo.

Para atender às diferentes condições operacionais, os lubrificantes são feitos com diferentes tipos e ou quantidades de aditivos.

E quais são os principais aditivos?

  • Detergentes e dispersantes: servem para limpeza
  • Antioxidantes: evitam a oxidação do óleo, além da formação de borras e vernizes 
  • Antiespumantes: evitam a formação de bolhas e espumas
  • Antiferrugem e Corrosão: evita a perda de material das partes metálicas do motor. 

Critérios para a classificação API

A classificação API é representada por duas letras. A primeira letra está relacionada ao tipo de motor de combustão e consequentemente ao combustível utilizado. O “S” significa “Sparkiling” (centelhamento) característica de um motor de combustão ciclo Otto que necessita de uma Vela para realizar a combustão. Os motores ciclo Otto queimam os combustíveis  Gasolina, GNV e ou Etanol.

A segunda letra demonstra o nível de desempenho e proteção do lubrificante e a sua eficiência nos requisitos de limpeza do motor e durabilidade dos seus componentes. 

Quanto mais avançada a letra seguindo o alfabeto, melhor é o desempenho do óleo lubrificante para a limpeza e proteção de uma determinada geração de motores. Por outro lado, qualquer óleo abaixo da classificação abaixo da classificação API “SJ” é considerado obsoleto para os motores modernos.

Sendo assim, um óleo API SN é melhor que um API SL, que é melhor que um API SJ e assim sucessivamente.

Um veículo, cujo motor exige um óleo com determinada classificação API, não pode receber um lubrificante de categoria inferior. Ou seja, um veículo que pede um óleo de API SM não pode receber um óleo SL, por exemplo.

A família de lubrificantes Havoline Sintéticos e Semissintéticos, conta com diversas viscosidades e possuem a classificação de desempenho API SN. Você conferir todas as opções clicando aqui

#4 –  Qual é a validade do óleo lubrificante? 

O prazo da troca de óleo lubrificante deve ser respeitado. 

A troca de óleo lubrificante é sempre recomendada pelo fabricante do veículo/motor em função do regime operacional do veículo. Normalmente a troca é indicada por quilometragem (5 mil ou 10 mil quilômetros), ou por tempo (6 meses ou 1 ano) o que ocorrer primeiro, essas informações podem ser encontradas no Manual proprietário do veículo.

O óleo utilizado além do período recomendado pode resultar na formação de borra no motor, comprometendo a capacidade de lubrificação dos componentes internos, aumentando o atrito e o desgaste do veículo.

Você pode baixar nosso aplicativo, no qual informamos não somente o óleo de motor mais indicado para seu veículo, mas também outros óleos de componentes importantes como direção hidráulica, fluídos de radiador, transmissão etc. 

Com o aplicativo, você tem informações precisas de onde encontrar os produtos TEXACO mais adequados às necessidades do seu veículo. Além disso, ainda vai ser lembrado sempre que for necessário trocar o óleo lubrificante.

 

#5 – O óleo lubrificante usado é um produto perigoso?

A cada troca de óleo lubrificante, é necessário sempre armazená-lo em um local adequado.

O recipiente em que será armazenado o óleo usado deve ser resistente e durável, evitando contaminações ao meio ambiente e devidamente identificado, 

Além disso, também é válido manter esse recipiente de óleo usado distante de fontes de calor excessivo, pois as altas temperaturas contribuem para a combustão do material armazenado. Mantê-lo em um lugar seco e arejado evita que ocorra intoxicação e contaminação com água.

Se você quiser saber mais sobre os cuidados com o óleo usado acesse aqui!

 

Confira, a seguir, alguns conteúdos para que você potencialize o resultado em sua oficina:

 

Em caso de dúvida, você já sabe: registre nos comentários abaixo!

 

2 comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *