Entenda a embalagem do óleo lubrificante

A embalagem do óleo lubrificante está repleta de números e siglas que podem parecer a princípio complicadas, mas que na verdade ajudam muito na escolha do produto certo. A maioria sabe o que é o óleo lubrificante e para que ele serve. Mas você consegue entender tudo o que vem escrito na embalagem?

As embalagens de óleo lubrificante trazem informações essenciais para escolher a opção mais adequada para cada tipo de veículo.

Existe uma grande variedade de óleos que parecem iguais. Quanto mais detalhes você souber explicar ao cliente que tenha dúvidas, mais seguro e confiante ele ficará em fechar negócio com você!

Conhecendo os termos técnicos e as especificações, você também entenderá as características únicas que cada lubrificante possui e assim orientá-lo da melhor maneira.

Nesse blog post vamos te dar algumas informações que descomplicam os rótulos dos óleos lubrificantes. Confira!

  • O que são as siglas presentes no óleo lubrificante?
  • Base do produto
  • Classificação SAE, o que é?
  • Classificação API
  • Classificação ACEA
  • Certificação ILSAC
  • Especificações de montadoras

O que são as siglas presentes no óleo lubrificante?

As siglas que aparecem na embalagem do óleo lubrificante se referem às características específicas do produto, definidas por entidades internacionais, responsáveis pelas normas e classificação dos óleos lubrificantes.

No entanto, é impossível que você decore a melhor opção para cada tipo de veículo. A melhor forma de fazer recomendações e tirar dúvidas dos seus clientes, é entendendo as informações presentes na embalagem do óleo lubrificante.

Nesse post separamos um exemplo de produto, indicando todas as nomenclaturas encontradas e explicando-as.

Entenda a embalagem do óleo lubrificante

Base do produto

Normalmente, a informação sobre a base do produto vem apontada na embalagem do óleo lubrificante, abaixo da nomenclatura criada pelo fabricante. A base pode ser sintética, semissintética ou mineral.

Veja a seguir quais são as características de cada tipo de base de óleo lubrificante:

Óleo lubrificante mineral

O óleo lubrificante mineral é composto de uma mistura de óleos básicos minerais e aditivos. Os óleos básicos minerais são obtidos pelo processo convencional de destilação do petróleo.

Suas principais características são:

  • Menor intervalo entre trocas;
  • É mais barato que os sintéticos e os semissintéticos.

  Semissintéticos

Óleos lubrificantes semissintéticos são formulados com uma base de semissintética e aditivos.

A base semissintética é uma mistura de óleos básicos minerais e sintéticos, que apresenta um desempenho superior ao do mineral, mas sem chegar aos níveis do sintético.

Algumas características do óleo semissintético são:

  • Desempenho superior ao óleo mineral;
  • Custo inferior ao sintético.

 Sintéticos

Fabricado a partir da mistura de óleos sintéticos e aditivos, o óleo lubrificante sintético possui altíssimo grau de pureza e desempenho superior aos semissintéticos e minerais.

As principais características do óleo lubrificante sintético são:

  • Economia de combustível;
  • Menor consumo de óleo;
  • Maior resistência à oxidação (envelhecimento), possibilitando maiores intervalos de troca;
  • Partidas rápidas a baixas temperaturas.

Agora que você entende melhor a base do óleo lubrificante, vamos falar do SAE.

Classificação SAE, o que é?

A classificação SAE (Society of Automotive Engineers) qualifica o lubrificante pela sua viscosidade, dividindo-se em dois grupos: os monoviscosos (o SAE apresenta apenas um número, como por exemplo “30” ou “10W”) e os multiviscosos (representados por dois números, por exemplo, “10W-30”).

Os multiviscosos são mais usados hoje devido à sua capacidade de adequação da viscosidade dependendo da temperatura. No caso da embalagem do óleo lubrificante no nosso exemplo, o grau SAE é 5W-30. Trata-se, portanto, de um produto multiviscoso.

O primeiro número, 5W, indica a viscosidade em baixa temperatura, crítica para a partida do motor. Quanto mais baixo este número, maior será a fluidez do óleo lubrificante em baixa temperatura, o que proporcionará maior proteção nas partidas à frio.

Já o segundo número diz respeito a viscosidade em alta temperatura (por exemplo, 30 ou 40) que proporciona a formação de película adequada para uma boa lubrificação com o motor quente.

Na hora de escolher o óleo lubrificante, consulte sempre a recomendação do fabricante do veículo pois este é quem define a viscosidade mais apropriada para o projeto do motor do veículo.

Se você quer saber mais sobre os números de viscosidade do lubrificante, confira o post sobre viscosidade do óleo.

Classificação API

A classificação API (American Petroleum Institute) baseia-se na especificação dos níveis de desempenho dos óleos lubrificantes e os divide em duas categorias, dependendo do tipo de motor para o qual foi projetado.

Se a primeira letra for S, quer dizer que o óleo foi desenvolvido para carros flex ou movidos a gasolina, etanol e gás natural veicular. Já para motores a diesel a sigla utilizada é API C.

Quanto mais distante a segunda letra estiver do “A” no alfabeto, mais desenvolvido e recente é o produto. Por exemplo: um óleo API SN é superior a um API SL ou SM, podendo obter um desempenho muito melhor.

Classificação ACEA

Assim como a API estabelece os critérios mínimos de desempenho para o óleo de motor para os Estados Unidos, a ACEA (European Automobile Manufacturers Association) é a responsável por desenvolver as especificações dos lubrificantes de motores automotivos para a Europa.

A ACEA possui um sistema de classificação diferente da API pois considera 3 diferentes blocos de especificação:

  • Veículos pesados movidos a diesel, identificada pela letra “Ex” onde x é um número (ex: ACEA E7);
  • Veículos leves movidos a diesel e gasolina identificada pela sigla “Ax/Bx” (ex: ACEA A3/B4), onde x também é um número
  • Veículos leves movidos a diesel com sistema de pós tratamento de gases da exaustão com filtro de partículas, identificada pela sigla “Cx” (ex: ACEA C2).

Certificação ILSAC

Certificação concedida pelo Comitê Internacional de Padronização e Aprovação de Lubrificantes (International Lubricant Standardization and Approval Committee), a ILSAC é uma entidade conjunta dos fabricantes de veículos automotores dos Estados Unidos e do Japão, que cria e estabelece os níveis mínimos de desempenho para os lubrificantes para motores.

Quando se trata do desempenho de lubrificantes, a classificação ILSAC GF-5 tem correlação direta com a classificação API SN (Resource Conserving). Um produto que atende os requerimentos GF-5, supera a classificação API SN nos quesitos de economia de combustível e emissões de gases poluentes.

Especificações de montadoras

Na embalagem, também é muito comum encontrar especificações de montadoras, que na maioria das vezes, são mais severas que as especificações API, ILSAC ou ACEA.

É importante sempre verificar se o óleo utilizado atende à especificação recomendada pela montadora do veículo.

Agora que você já conhece os significados das letras da embalagem do óleo lubrificante, pode recomendar a melhor opção para seus clientes.

Guia de produtos Havoline - Texaco - Óleo lufrificante

101 comments

  1. Tenho um Corolla Xei-2.0 com 40.000 km. Antes da última revisão estava usando óleo sintético 5w30w. Após fazer a revisão o pessoal colocou o semi-sintético 5w30w solicitado no manual. Algum problema nisso? Por quê será que não mantiveram o sintético se sua tecnologia é melhor?

    • Delton Stabelini says:

      Paulo, bom dia! Alguns fabricantes dão duas ou mais opções de uso de óleo, pode ser que no momento da troca não tinham produtos de base sintética então usaram o semissintético, mas não tenha dúvida o de base sintética tem um melhor desempenho para o motor. Abraço!

  2. Ronaldo Bressan Delírio says:

    Bom dia,carros que passam de 100 mil quilômetros,usam o mesmo óleo recomendado pelo fabricante ou é bom usar um mineral.

    • Delton Stabelini says:

      Ronaldo, bom dia!

      Se as trocas de óleo e filtro foram realizadas nos períodos recomendados, não existe a necessidade de modificar o óleo que vinha sendo utilizado. Abraço!

        • Delton Stabelini says:

          Oi, Josimar. Tudo certo? Infelizmente nosso material fica disponível apenas no blog. Não dispomos de material em pdf. Abraço!

    • Delton Stabelini says:

      Álvaro, bom dia! É preciso verificar dentro do seu Estado como está a implementação do programa “Jogue limpo” e suas diretrizes. Abraço!

  3. Moacir says:

    Muito bom ter acesso a informações que podem ser tão úteis no momento de fazer a troca de óleo, as vezes, quem faz a troca pode estar usando produto que não atende as especificações do fabricante do carro.

  4. CLAUDECI JOSE DOS SANTOS says:

    BOM DIA , troquei o óleo do meu Chevrolet Classic 2011 e coloquei 3 litros de óleo SAE 5W-30 API SN, E SEM PERCEBER COLOQUEI 250 ML DE ÓLEO SAE 5W-30 API SM, TEM PROBLEMA POIS SÓ MUDOU A ULTIMA LETRA DA ESPECIFICAÇÃO.

    • Delton Stabelini says:

      Claudeci boa tarde,

      Na proporção informada não trará nenhum problemas, visto o ano de fabricação do veículo, mas fique atento ao período de troca e verifique semanalmente o nível de óleo.

      • Naomi Takaoka says:

        Boa tarde tenho um Honda fit 2005… No manual é recomendado o uso do óleo SAE 10w30 api sl e diz que não é recomendado o uso de sintético, tem problema usar o 5w30 api sn que é o sintético?

        • Especialista Texaco says:

          Oi, Naomi! Tudo bem?
          No manual da Honda diz para você utilizar um produto mineral. Portanto, pode sim usar lubrificante SAE 5W-30 de base sintética e API SN.
          Agradecemos o comentário!

  5. Everton Tassi says:

    Delton, boa tarde. É possível o modelo Renault Megane gran tour 1.6 16V estar com um determinado óleo que a troca passou dos 5 mil km e esse produto deveria ter ocorrido exatamente aos 5 mil km, com isso, os tuchos começaram a fazer barulhos ao ligar pela manhã ?
    Obs.: Nenhuma informação no painel referente a anomalia da quantidade baixa do óleo.
    Ao trocar o óleo com a descrição correta conforme manual os barulhos dos tuchos poderão parar ao ligar pela manhã ? O veículo encontra-se com 94 mil km e o ano é 11/12.
    Obrigado Everton.

    • Delton Stabelini says:

      Everton boa tarde,

      É preciso uma análise mais profunda para determinar se o problema está diretamente ligado a lubrificação e ao lubrificante. Pela sua descrição você não está usando o óleo recomendado pelo fabricante e portanto faça a troca de óleo de acordo com as especificações do fabricante do motor, se o barulho dos tuchos continuarem será preciso uma nova avaliação.

  6. Ronaldo Cacciatore says:

    Se eu trocar o óleo do meu carro onde a especificação é 5w30 e usar a proporção de 3 litros e API SM sintético e 1 litro e meio API SN sintético tem algum problema? E tem problema usar marca diferente?

    • Delton Stabelini says:

      Ronaldo bom dia,

      A mistura de lubrificantes de marcas diferentes e especificações diferentes não é recomendado, visto que o produto resultante da mistura torna-se desconhecido seu desempenho.

  7. Tadeu says:

    Boa noite comprei filtro e3 litros de óleo Shell hx8 100% sintético API Sn ilsac GF 5 coloquei no Palio fire ano 2107 está certo? O que significa API Sn ilsac gf5?

    • Delton Stabelini says:

      Tadeu, bom dia.

      Os veículos Fiat Palio ano 2017 pedem para usar um óleo de viscosidade SAE 5w-30 API SN.

      API SN é a mais alta classificação de desempenho para motores ciclo Otto.

      IlSAQ GF-5 – quer dizer que o lubrificante contribui com economia de combustível.

  8. Felipe says:

    Delton boa noite!
    Comprei um honda new Fit 2009, e todas as revisões foram feitas na concessionária, ocorre que já faz um tempo que na honda estavam usando óleo 0w20, sendo que no manual diz 10w30 api sl. Fiz a revisão colocando o óleo 10w30 api sm, na sua opinião vale continuar colocando 0w20 “terá melhor desempenho? 130 mil km rodado.

    • Delton Stabelini says:

      Felipe bom dia,
      Na minha opinião você deve continuar usando o SAE 0W-20 API SN, pois este trará benefícios na lubrificação na partida a frio e maior proteção ao motor pois é um API SN.

  9. Boa noite ! A classificação SAE do óleo segundo o manual da minha moto é 15w50.

    Veja se estou correto: posso escolher um óleo com a viscosidade em baixa temperatura menor do que o recomendado correto ? Pois quanto menor o primeiro número melhor será a durabilidade do motor na partida á frio.

    Já o segundo número deixo igual ou maior correto ?

    Examplo: posso usar um óleo 10w50 ou 5w50 correto ? Pois irá proteger mais ainda o motor na partida á frio onde ocorre a maior parte do desgaste.

    • Delton Stabelini says:

      Thiago boa tarde,

      Conceitualmente você está correto, mas não esqueça de comparar a natureza do óleo básico bem como as classificações de desempenho API e JASO requerida para o ano e modelo de sua Motocicleta.

  10. Marcos gleison says:

    Boa Noite Delton! Eu tenho um Honda Civic Si 2007,ja faz uns 5 anos,comprei de terceiros,esse carro no manual,pede pra usar o oleo 10w30 API SL base mineral,só que eu nao sei se o antigo dono usava esse oleo 10w30 mineral,eu estou usando um oleo 10w40 API Sn semi sintético des de quando comprei,mais esses dias eu mudei a viscosidade dele,mudei pro 5w30 API Sn,sintético,por ser um oleo 5w melhor a partida a frio,e um w30 melhor em performance,vc acha que eu fiz a escolha certa ? De mudar de 10w40 semi sintético para o 5w30 sintético? Ou devo usar o 10w30 semi sintético,já que dizem que não pode misturar oleo mineral com sintético. Abç

    • Delton Stabelini says:

      Marcos bom dia! Sim você acabou por fazer o certo, originalmente a viscosidade para esse veículo é o SAE 10W-30, então com essa última alteração você manteve a fase quente com SAE 30 e reduziu a fase fria para 5W e ainda melhor a base do produto para de mineral para sintético e a classificação de desempenho API de SL para SN.

  11. Fernando Oliveira says:

    Boa tarde Delton,
    En primeiro lugar, parabêns pelo blog, muito bom Mesmo.
    Delton, comprei recentemente uma S10 4×4 diesel ano 2010, quero trocar todos os óleos dela, dos diferenciais, cx transmissão, cx marcha, freios, etc…, enfim, o manual nos indica a especificação e a marca acdelco. Minha pergunta é: posso seguir a especificação dos lubrificantes contidas no manual e comprar o lubrificante de outra marca?

    • Delton Stabelini says:

      Fernando bom dia,

      Obrigado pelo seu feedback! Quanto a sua pergunta, sim, desde que você compre produtos de empresas idôneas e conceituadas e seguir sempre as especificações recomendada pela montadora.

  12. Fernando Simões de Oliveira says:

    Delton obrigado pelo retorno,

    Me tira mais uma dúvida, a caixa de transmissão da minha S10, conforme o manual do fabricante pede o óleo 80w90, o mecânico colocou na troca de 30000 km, o óleo SAE 80w90 GL-5 . Está correto utilizar este óleo?

    • Delton Stabelini says:

      Olá, Fernando tudo bem? Importante informar o ano de fabricação desse veículo.Se for uma transmissão Eaton o óleo deve ser um SAE 80W-90 API GL-3 e não GL-5.
      Abraços!

  13. Ilson says:

    Boa noite Delton!
    Tenho uma camionete L200 outdoor 2008 Diesel estava usando o óleo da Castrol Turbo API CF4 SAE 15W 40, porém a Castrol parou de fabricar esse óleo então,comprei o óleo da Lubrax Avante ACEA E4/E7,como sobrou uns 3 litros do Castrol, te pergunto se posso fazer a mistura com o Lubrax Avante, também uso o aditivo Alfa X nano. ? Att. Ilson

    • Delton Stabelini says:

      Olá, Ilson tudo bem? Não é recomendado a mistura de produtos diferentes, minha recomendação é sempre usar o lubrificante que a montadora indica no seu manual. Abraços!

  14. Felipe Oliveira says:

    Ótima tarde;
    Gostaria de saber se para a transmissão MB G 330-12 Mercedes Powershift que usa o óleo 75w90, poderia ser utilizado o óleo mineral ao invés do sintético. Obs.: Utilizamos a troca com 2000hrs ao invés de 1000hrs.

    • Delton Stabelini says:

      Olá, Felipe! Tudo bem? Sempre utilizar o lubrificante recomendado pelo fabricante e respondendo a sua pergunta é se a única opção é pelo sintético, não devemos usar.
      Abraços!

  15. Bruno Leonardo nonato negreiro says:

    Tenho um gol G6 e usei esse óleo Selènia Perform 5W-30 aí quero muda para o 5w-40, ele já tá com 98 km posso usa esse 5w-40

    • Delton Stabelini says:

      Olá, Bruno! Tudo bem? Sim pode a VW nunca recomendou a viscosidade SAE 5W-30 para os seus veículos, mas além da viscosidade verifique também as classificações de desempenho API e as especificações da própria Volkswagen.
      Abraços!

  16. Vagner Pereira de Lacerda says:

    Boa tarde
    Tenho uma Fiorino 2014 e o óleo usado é o 15w40 SM. Ela está com 170000 rodados e faço troca de óleo aos 5mil km, de 20 em dias.
    Por motivo de preço queria passar a usar 15w40 para diesel, você recomenda essa mudança?

    • Delton Stabelini says:

      Olá, Vagner! Tudo bem? Desde que o produto para motor diesel um óleo SAE 15W-40 também atenda a classificação de desempenho API SM, sim você pode usar.

      Abraços!

  17. Rafael says:

    Olá, Delton. Tenho um Citroen C3 ano 2017. No manual a recomendação é que se use óleo sintético 5W30 ACEA C2. Haveria algum problema em usar o óleo sintético 5W-30 API SN PLUS? No manual também informa que é recomendável o uso do óleo da marca Total, se usar Lubrax existe algum problema? Obrigado

    • Delton Stabelini says:

      Olá, Rafael! Tudo bem? Recomendo que utilize sempre o que o fabricante determina como necessário e o que vale é a especificação e não a Marca do Lubrificante, apenas reforço a importância no uso da Marcas de lubrificantes idôneas, dentro de nossa linha de produto a recomendação seria o Havoline Pro DS M SAE 5W-30 API SN ACEA C2 e C3.
      Abraços!

  18. LEONARDO ANDRADE says:

    Olá Delton.
    Um lubrificante que atenda à especificação ACEA A3/B4 pode ser usado em veículos leves movidos à diesel sem filtro de partículas (DPF) mesmo que não aja no rótulo essa indicação?
    Agradeço a atenção.

    • Delton Stabelini says:

      Olá. Leonardo, tudo bem? É preciso verificar qual é o produto recomendado pelo fabricante, estranho é o produto atender a especificação ACEA A3/B4 e não constar no rótulo.
      Abraços!

  19. João says:

    Delton, boa noite!

    Como proceder quando não se acha óleos com a especificação ACEA?

    Ocorreu comigo o seguinte: não encontrei em lugar algum o óleo recomendado pela Citroën para usar no Aircross 2014 (motor 1.6 flex), que é o Total Quartz sintético 5W30 e tem especificação ACEA. Procurei em vários centros de troca de óleo e nenhum tinha. Acabei colocando o Mobil Fórmula D1 5W30 que também é sintético e tem a mesma viscosidade.

    Como na embalagem não tinha a especificação ACEA, entrei no site da Mobil e vi que o óleo utilizado não consta na lista de óleos recomendados para o meu veículo.

    O que eu faço? O importante é ser sintético e ter a mesma viscosidade, ou deveria mesmo ter essa especificação ACEA? Não estou dormindo de preocupação. rs

    • Delton Stabelini says:

      Olá João! Tudo bem? A classificação ACEA define o desempenho do lubrificante na proteção do motor. O ideal é sempre usar o que o fabricante define no manual. Não precisa ficar sem dormir apenas procure um produto que atenda as especificações do seu veículo e faça a troca.
      Abraços!

  20. No manual do meu corolla xei 2.0 2012 mostra assim:
    – Classificação do óleo 10W-30 e 5W-30: Óleo multiviscoso para motor, classificação API tipo SL “Energy-Conserving”, SM “Energy-Conserving” ou ILSAC 20W-50 e 15W-40: Óleo multiviscoso, classificação API SL ou SM, certo!
    Quer dizer que todo óleo API-SN é “Energy-Conserving” e não preciso colocar um que seja isso + ILSAC, o que seria melhor mas sem necessidade devido a orientação da TOYOTA, seria isso?

    • Delton Stabelini says:

      Olá, Cleber! Tudo bem? O lubrificante que é classificado como “Energy Conserving” é também classificado como ILSAQ GF-5 o que significa que estes produtos contribuem para com a econômica de combustível dos veículos. Lubrificantes de graus de viscosidade SAE 20W-50 e SAE 15W-40, não se enquadram na categoria de EC e ou ILSAQ GF-5.Um lubrificante de viscosidade SAE 5W-30 pode ou não, ter esse atributo de Economia de Combustível, depende da montadora exigir ou não essa credencial, no caso da Toyota ela lhe dá algumas opções:

      Usar um óleo SAE 10W-30 API SL ou SM (mínimo) e com EC Energy Conserving = ILSAQ GF-5
      óleos lubrificantes multiviscosos SAE 15W-40 ou 20W-50.
      Eu recomendo que utilize SAE 10W-30 API SN com “EC”.
      Abraços!

  21. HUDSON TEIXEIRA GOMES says:

    Tenho um ECOSPORT 2007, a especificação de óleo dele é API SL, posso colocar um óleo 5w30 ACEA C2-12? As especificações desse óleo é ACEA C2-12, API SN e PSA B71 2290!!!

    • Delton Stabelini says:

      Hudson, boa noite! Desde que a viscosidade seja respeitada, sempre pode ser feito upgrade com relação à natureza (ou seja, de mineral para semi ou de semi para sintético). O nível API SN é superior ao API SL e portanto também configura uma melhoria.

      Abraços!

  22. Márcio says:

    Boa noite Delton. Um lubrificante para motos com classificação API-SL, viscosidade 10W30, semi-sintético, difere em que de um lubrificante automotivo de mesma classificação? Estive procurando e não encontrei a diferença sobre ser de motos ou carros. Pergunto isso porque gostaria de saber se usando o óleo especificado para um, no outro, algum dano pode ocorrer no motor. Obrigado.

    • Delton Stabelini says:

      Márcio, boa tarde. Os óleos para motocicletas possuem um atendimento especial chamado JASO (no caso do Havoline 4T 10W30 SL, é um JASO MA2). Para um óleo atender JASO ele precisa obrigatoriamente produzir um certo nível de atrito, pois as embreagens das motocicletas necessitam dele, o que é dispensável no motor do seu carro. Sim, pode acontecer dano se forem aplicados produtos invertidos.

      Abraços!

  23. Boa noite, tenho um Opel vectra C com um motor 2.0 DTI com 286000 Quilómetros do ano 2003 mês Junho,
    o antigo mecânico colocava um óleo de motor 10W40 da GM, uma vez que que este motor está começando a consumir óleo de motor porque o antigo dono me disse que tinha feito a mudança de óleo de motor aos 280500 Quilómetros e eu deparei que este óleo só tinha feito 5600 Quilómetros e o nivel na vareta está um pouco abaixo de meia vareta e ainda faltava fazer 4400 Quilómetros, para os ditos 10000 Quilómetros, querendo eu mudar aos 280000 Quilómetros, qual o óleo Valvuline que me aconselha usar devido ao consumo que este motor está tendo?

    • Delton Stabelini says:

      Boa noite, Duarte! Não trabalhamos comproduto Valvoline, mas sim Havoline, a marca mais tradicional do mercado e carro chefe da Texaco para motores a gasolina.

      Abraços!

    • Alexandre Bonato - Time de Especialistas Texaco says:

      Bom dia, Daniel! Peço por gentileza verificar no manual do proprietário qual a indicação recomendada pela montadora para que possamos fazer a indicação perfeita para seu Peugeot.

      Abraços!

  24. Valerio Penha says:

    Boa tarde, tenho um mercedes c280 1995 com uns 150.000km rodados.
    qual seria o melhor oleo para ele no momento?
    Desde ja, agradeco a atencao!

  25. Cláudio Augusto Barbosa says:

    Boa tarde!Tenho um Honda CR-V ano 2010,ele esta com 165.000 km rodados na ultima troca,coloquei o oleo 10w30 mais me avisaram q o oleo ideal seria o 0w20 SN ou o ILSAC GF5 da Lubrax 0w20.Esta informacao eh correta?

    • Murilo Coimbra - Time de Especialistas Texaco says:

      Olá, Claudio! Tudo bem?
      A viscosidade requerida para esse veículo é a SAE 10W-30 API SL.
      Abraços!

    • Murilo Coimbra - Time de Especialistas Texaco says:

      Olá, Claudio! Tudo bem?
      A viscosidade requerida para esse veículo é a SAE 10W-30 API SL.
      Abraços!

  26. Warlesson da c silva says:

    Tenho um classic 2012 e a mais ou menos 7 meses coloquei um óleo mineral 20w50, será se agora posso voltar para um óleo sintético 5w30? Meu carro está com 65.000 km.

    • Murilo Coimbra - Time de Especialistas Texaco says:

      Olá, Warlerson! Tudo bem?

      Sim, pode voltar a usar a recomendação da GM, que é um óleo SAE 5W-30 para esse ano de fabricação.
      Abraços!

  27. Warlesson silva says:

    Tenho um classic 2012 e foi colocado um óleo mineral 20w50 no início do ano e agora quero mudar pra um óleo sintético ou semisintetico, qual óleo poderia ser colocado sem afetar a lubrificação do motor do meu carro? Só lembrando que foi apenas essa vez que foi usado um óleo mineral no meu veículo que está está com 60 mil km rodados.

  28. Marlon says:

    Quais são as melhorias por exemplo de uma API SL pra SM? Todos falam que são óleos superiores, mas não dizem o quanto a mais é superior nem em que é superior

    • Murilo Coimbra - Time de Especialistas Texaco says:

      Olá, Marlon! Tudo bem? Existe melhorias em vários aspectos e características de desempenho, mais importante saber o que melhorou é saber que quem define a categoria mínima exigida para determinado ano de fabricação do motor é o fabricante do mesmo, portanto se o motor evolui o lubrificante deve acompanhar a evolução e usar classificações superiores ao mínimo defino pelo fabricante de motor pode ser feito, mas o inverso não e verdadeiro.

      Exemplo se o motor pede SL, pode usar SM, mas se pede SM não pode usar SL.

      Abraços!

  29. Leonardo Ferreira says:

    Olá, boa noite. Comprei um Clio 2011 com 92.000km rodadas e segundo informações do vendedor foi trocado óleo dele com 91.000km (óleo 10w40 semi sintético). Após 1 semana reparei que ele tava vazando um pouco de óleo pelo bujão do cárter, consertei o problema, mas não sei quanto perdi de óleo na troca do bujão (reutilizei o mesmo óleo). Vi pela vareta que tá com 70% completo. Tenho um óleo novo aqui em casa fechado 15w40 semi sintético. Posso utilizá-lo pra completar o que perdi? Obrigado!

    • Alexandre Bonato - Time de Especialistas Texaco says:

      Olá, Leonardo! Tudo bem? Nunca deixe faltar óleo no motor, minha recomendação é pela troca total da carga de óleo por um óleo novo de viscosidade SAE 10W-40 semissintético e classificação API SN.

      Havoline Semissintético SAE 10W-40 API SN.
      Abraços!

  30. Plínio Júnior says:

    Possuo um carro 1972 com motor V8 BigBlock. Óleo recomendo pra ele possuía um percentual x de zddp. Esse aditivo está cada vez menos usado por n motivos. Qual óleo eu encontro hoje que possua o zddp na fórmula pra eu poder usar com tranquilidade?

    • Alexandre Bonato - Time de Especialistas Texaco says:

      Olá, Plínio! Tudo bem? Os aditivos zddp continuam sendo usados na formulação dos lubrificantes como aditivo para proteção ao desgaste, pode ser que o percentual usado não seja o mesmo do passado, devido a evolução tecnológica dos aditivos, possibilitando essa alteração. Mas para esse seu veículo o Havoline Semissintético SAE 15W-40 API SL pode ser usado com tranquilidade ou um sintético SAE 5W-40 API SN, Havoline Ultra W Sintético Pro DS SAE 5W-40 API SN.
      Abraços!

      • Plínio Vicentin Júnior says:

        Legal as opções que vc me deu. Mas observando grupos lá nos EUA, alguns proprietários de motores V8 antigos usam o CI4 que é pra motor Diesel. Vc vê algum problema nisso? A alegação é de que os óleos para motores diesel possuem o maio percentual de zddp do mercado.

        • Especialista Texaco says:

          Olá, Plínio! Tudo bem? Não vemos nenhum problema e note que apesar de ser um óleo para aplicação diesel de classificação API CI-4 ele também traz a credencial a classificação API SL, que seria para motores ciclo Otto.

  31. David Evangelista says:

    Possuo um Fiat linea 15/16. O manual pede o óleo para motor 5w-30 API SM, SINTÉTICO. Posso colocar na próxima troca o óleo 5w-30 API SN SINTÉTICO?

    • Especialista Texaco says:

      Oi, David! Tudo bem?
      Pode sim. A classificação de desempenho API SN é supéerior ao API SM.
      Esperamos ter ajudado!

    • Especialista Texaco says:

      Oi, Roclécio. Tudo bem?
      A Formulação dos lubrificantes tem um equilíbrio na quantidade de aditivos e não recomendamos adição de aditivos complementares. A falta de aditivos levará ao desgaste prematuro e o excesso ao desequilíbrio do produto acabado.
      Esperamos ter ajudado!

  32. Lucas says:

    Olá,
    Tenho um palio elx 1.0 2010/2011.
    No manual é recomendado o Selenia K pure 5w30 API SM

    Na hora da compra, comprei um Selenia 5W30 API SN PLUS. Gostaria de saber se tem algum problema para o bom uso e funcionamento do meu motor?

    Obrigado;

    • Especialista Texaco says:

      Oi, Lucas! Tudo bem com você?
      Opa, nenhum problema em usar uma classificação de desempenho API superior a recomendada para seu veículo.
      Pode ficar tranquilo!
      Abraços,

    • Especialista Texaco says:

      Olá, Fernando! Tudo bem?
      Que bacana que tem gostado do blog! Fique ligado que vamos trazer muitos assuntos interessantes por aqui.
      Abraços!

    • Especialista Texaco says:

      Olá, Mauricio! Tudo bem?
      De acordo com o manual do Honda CRV ano 2011, o lubrificante que deve ser usado é um óleo SAE 10W-30, API SL. Existe uma recomendação expressa para não usar óleo sintéticos. Tudo bem? Abraços!

  33. Rodrigo Sales says:

    Olá, Bom dia!
    Comprei um GM Astra 2.0 ano 2011, com 120.00 km e de imediato identifiquei que estava sendo utilizado um óleo diferente do especificado pelo fabricante, Lubrax Tecno 15w40 – API-SN, não tendo sido possível saber a quanto tempo ou a quantos quilômetros o carro estava rodando com esse lubrificante.
    A minha dúvida é se na próxima troca posso substituir o lubrificante pelo correto, especificado no manual do fabricante, 5w30 – API-SL ou superior ou se corro o risco de provocar algum dano ao motor com essa mudança e até mesmo o risco do veículo começar a queimar o óleo pelo fato de ser um pouco mais fino.
    O que seria recomendado nessa situação?

    Abraços!

    Obrigado!

    • Especialista Texaco says:

      Olá, Rodrigo! Tudo bem?
      O ideal é usar sempre o que a fabricante recomendada pelo fabricante. Como não sabemos a quanto tempo o veículo vem usando a viscosidade incorreta é difícil prever os sintomas do motor. A nossa recomendação é usar um óleo SAE 5W-30 sintético API SN. Tudo bem?
      Agradecemos o comentário!

  34. Henrique Coelho says:

    Boa tarde. Tenho um Honda Civic Híbrido de 2006 e o manual recomenda Oleo 0W20 sintetico especificação ACEA 1/B1 ou ACEA 3 /B3. A concessionaria aqui fechou. Na ultima muda, antes de o adquirir usado, foi utilizado Castrol Edge Professional 0W20 Titanium FST. No entanto há um armazém da Castrol aqui com óleo para Honda 0W20 sintetico mas com a especificação API SN ILSAC GF 5 e diz que é superior. Posso usar sem problemas?? Sou de Portugal. celsoalentejo@hotmail.com Obrigado e grande abraço

    • Especialista Texaco says:

      Oi, Celso! Tudo bem com você?
      Vamos lá! Primeiro é preciso comparar as especificações, vi que você mencionou dois produtos com classificações de desempenho diferentes:
      SAE 0W-20 Sintético ACEA A1/B1 ou A3/B3
      SAE 0W-20 Sintético API SN e ILSAC GF-5
      É preciso comparar ACEA com ACEA e API com API. Tudo bem?

      Agradecemos o comentário!

  35. johny ternes says:

    Boa tarde, carros antigos podem usar óleo semissintético, sintético ou é preferível o mineral? como o óleo mineral possui pouco aditivo da para acrescentar algum na troca?

  36. Antônio Souza says:

    Ficou uma grande dúvida. Foi dito que de acordo com a API a letra S é para motores gasolina, flex gnv. No entanto no rótulo do óleo GM Dexos 2 para diesel o 5w30, apresenta a identificação API SN dexos2 e não API CN como indica o comentário deste site.

    • Especialista Texaco says:

      Olá, Antônio! Tudo bem? Muito boa a sua observação! O que acontece é que os veículos leves diesel (pick-ups , Van e SUVs) são exceções a regra de classificação API e portanto não são classificados pela API CI, por exemplo, e sim API SN.

  37. Juliano Siqueira Santos says:

    Bom dia…nao seria o contrário do explicado no caso da viscosidade a frio e a quente…baseando se por exemplo em.um.oleo 10w30 acredito q o correto seria 10 centistokes a quente, e a frio 30centistokes, a viscosidade é inversamente proporcional à temperatura…é não ao contrário.

    • Especialista Texaco says:

      Olá, Juliano! Tudo bem? Você está correto quando diz que a viscosidade é inversamente proporcional a temperatura. Contudo, as informações na embalagem do produto são apenas números de referencia comercial para a diferenciação entre os lubrificantes. A unidade de medida utilizada para o cálculo da viscosidade a frio não é a mesma utilizada para o cálculo da viscosidade na temperatura de trabalho.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *